Sintomas e sua relação com a proteína tau

No último post sobre os sintomas da doença de Alzheimer, falei-lhes sobre o estágio I da doença – forma inicial dos sintomas-, falei-lhes, também, sobre as placas senis. Hoje, aprofundarei com vocês os estudos sobre as placas senis, bem como os outros sintomas do estágio I da doença.

Os outros sintomas mais frequentes dessa fase inicial, além da perda recente de memória, seria:

 

1– Episódios de desorientação espacial:

Imagem  Essa desorientação ocorre principalmente em lugares desconhecidos à pessoa, podendo, também, ocorrer uma desorientação temporal.

2 – Alterações comportamentais:

Imagem

As alterações comportamentais costumam acompanhar o progresso da doença lentamente. Aos poucos, o padrão comportamental e social se modificam.

Há um costume, entre os especialistas da área, de dizer que a doença de Alzheimer (AD) enfatiza, principalmente, as características de personalidade negativa, como por exemplo: apatia, desinteresse, passividade, irritabilidade, egoísmo, intorelância e agressividade

3 – Hipocondria:

Imagem

Os indivíduos tornam-se hipocôndrios e começam a ir muito aos consultórios com queixas inconsistentes

4 – Estados Depressivos:

Imagem

A associação entre os estados depressivos e a Doença de Alzheimer está cientificamente comprovada; entretanto, o tratamento com medicamente contra a depressão melhora e ameniza os quadros sintomáticos.

5 – Dificuldade de comunicação:

Imagem

Nesta etapa, as placas senis já foram para a parte do cérebro que coordena a fala e a pessoa sente dificuldade de se comunicar. Ocorre, também, dificuldade na gramática. 

6 – Distúrbios no sono:

Imagem

Inversão de horários e dificuldade para dormir pode ser um sintoma que ocorra na fase inicial. Esse fato é um possível sinal de uma mudança de fase na doença.

              Vale ressalvar que todos esses sintomas variam. Logo, não há uma cronologia fielmente feita para os sintomas da doença. Isso é um outro fator que dificulta no diagnóstico.

                         Proteína TAU e a sua relação com o Mal de Alzheimer:

Como fora dito pelo meu colega Matheus Papa Vieira em um post mais antigo “Tratamento farmacológico do Alzheimer – inicio” e por mim neste blog, a proteína TAU tem uma correlação com o caso clinico da doença de Alzheimer.

Diferentes proteínas (MAPs, microtubule-associated proteins) se ligam às laterais do polímero de actina e de microtúbulos . Essas proteínas alteram a estabilidade e as propriedades mecânicas quando um filamento de citoesqueleto é formado por nucleação e o seu crescimento é mediado pela adição de subunidades.

As MAPs podem estabilizar os microtúbulos, prevenindo, assim, sua dissociação. Há um subgrupo de MAPs que também pode mediar a interação de microtúbulos com outros componentes celulares. Este subgrupo de MAPs está demasiado presente em neurônios, os quais possuem os seus feixes de microtúbulos estabilizados e formam, assim, o centro de axônio e dendrito que se estende a partir do corpo celular.

Essas MAPs apresentam, pelo menos, um domínio de ligação à superfície dos microtúbulos e outro domínio que se expande a partir do microtúbulo. A distância de empacotamento de microtúbulos pode ser modificada pelo comprimento do domínio que se expande. No caso da proteína tau, esse domínio de expansão é curto, resultando em microtúbulos empacotados de forma muito mais compacta.

O desfosforilamento de uma proteína tau por uma proteína-cinase desempenha um papel importante no controle da sua atividade e, como consequência, a sua localização dentro da célula. A ligação de tau aos filamentos também regula o transporte de organelas. Resumindo, a atividade da proteína tau regula as alterações na dinâmica dos microtúbulos da célula na reorganização do seu citoesqueleto.

Pelo fato dessa proteína ser regulada pela sua fosforilação, quando há uma hiperfosforilação pode-se ocorrer a desestruturação do citoesqueleto neuronal e, assim, formar os emaranhados (ou novelos) neurofibrilares.

Proteína tau em associação ao microtúbulo saudável ou não saudável:

Imagem

 

Escrito por: Thales de Angelis Ciminelli

Referências:

https://en.wikipedia.org/wiki/Tau_protein

http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol32/n3/137.html

http://scitechdaily.com/alzheimers-spreads-throughout-the-brain-by-jumping-from-neuron-to-neuron/

Molecular biology of the cell, 5th Edition

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s